Sumário

No PER não há em sentido próprio uma verificação e graduação de créditos, e é, não há um procedimento tendente a fazer reconhecer judicialmente os direitos, com a produção da prova pertinente. Visa-se tão só o quórum deliberativo.

O procedimento de reconhecimento do crédito previsto no PER, quando exista controvérsia, não tem a virtualidade de garantir o cabal acesso à justiça, não constitui um “procedimento equitativo e justo” para efeitos de dirimir em termos definitivos o conflito.

No PER apenas os créditos não controvertidos se consideram definitivamente assentes.

A extinção das ações referida no artº 17-E, nº 1 parte final, refere-se às ações executivas, e às declarativas mas apenas se relativas a créditos que tenham sido admitidos definitivamente no PER, os que neste não foram contraditados.

Decisão

Relação de Guimarães – processo nº 823/13.0TTBCL.G1
Relator – Antero Veiga
Adjuntos – Alda Martins
Eduardo Azevedo

Acordam na Secção Social do Tribunal da Relação de Guimarães.

Autor: António...

Ré: … Materiais de Construção, Ldª

Nos autos o A. demandou a R. alegando uma transferência de empresa, que resolveu o contrato com justa causa, pedindo a condenação da R. no pagamento da quantia de € 18.138,90, mais juros.

A ré contestou negando a existência de transferência de empresa e que resolveu o contrato por abandono por parte do autor. Pagou tudo o devido.

- A ação veio a ser declarada suspensa por despacho de 14/10/2015, nos termos do artigo 17º-E nº 1 do CIRE.

- O autor apresentou no PER reclamação relativamente aos créditos aqui em causa, os quais não foram reconhecidos pelo administrador, por litigiosos, conforme fls. 178.

- O autor apresentou no PER impugnação da lista provisória de créditos, conforme fls. 182, invocando que o facto de o crédito ser controvertido não deve constituir impedimento ao seu reconhecimento.

- O administrador respondeu referindo dever ser julgada improcedente a impugnação face à ausência de sentença transitada. A devedora nada disse.

- Por decisão de 11/11/2015 proferida no PER, foi ordenada a retificação da lista provisória de credores, nela fazendo incluir o crédito reclamado pelo autor.

Consta da referida decisão:

“… Ademais, e porquanto o reconhecimento do crédito no PER visa exclusivamente computar o quórum de maioria e deliberação da decisão de aprovação do plano, não tendo como finalidade dirimir litígios sobre a existência, natureza ou amplitude de créditos, a circunstância de os créditos serem controvertidos não pode obstar ao reconhecimento nestes autos de tais créditos. Se assim fosse, coartar-se-ía aos credores, em face de uma negação pura e simples do devedor da existência dos respetivos créditos, a possibilidade de participarem nas negociações e votar um plano, deixando-se de fora créditos que podem vir a ser passíveis de ser cobrados. …Com efeito, o credor deve ser admitido a negociar e a votar o plano de recuperação a fim de defender um crédito que já reclamou numa ação judicial. Se, futuramente, for declarada a insolvência da devedora e se vier a concluir pela inexistência do crédito reclamado nos seus precisos termos, nada obsta que, nessa sede de insolvência, de faça, no incidente próprio, a prova cabal tendente ao reconhecimento, verificação e graduação correspondentes à sua existência, natureza e limites.

É precisamente porque os créditos estão a ser apreciados numa ação judicial que se deve dar oportunidade aos que se arrogam credores de poder vê-los reconhecido na lista provisória e, assim, defendê-los por via da sua intervenção no processo de revitalização. Não fazê-lo seria coartar aos credores, em face de uma negação pura e simples do devedor da existência dos respetivos créditos, a possibilidade de participarem nas negociações e votar um plano, deixando-se de fora créditos que podem vir a ser passíveis de ser cobrados…”

- Consta do Plano de recuperação:

“ Trabalhadores

Os créditos relacionados com os contratos de trabalho são pagos a 100% do capital primitivo, em 5 anos através de prestações mensais e sucessivas, com perdão total de juros vencidos e vincendos, logo após o trânsito em julgado da sentença de homologação do plano de revitalização.”

- A 7/4/2016 foi proferido despacho em que considerando-se que o crédito fora integralmente reconhecido no PER a ação perdeu utilidade, declarando-se extinta a instância por inutilidade superveniente da lide.

- Inconformada com o despacho a ré interpôs recurso apresentando as seguintes conclusões:

1.a - O crédito reclamado pelo autor, no valor de € 18 311,84 não está reconhecido no processo especial de revitalização da recorrente, tendo sido considerado nesse montante apenas para efeitos de participar na negociação e votação do plano de recuperação - cfr. decisão de 11.11.2015 proferida no processo especial de revitalização n.º 583/15.OT8PTL da Instância Local de Ponte de Lima, J1

2ª - Se assim não fosse, teria de ter sido realizado julgamento nesses autos, facultando-se à recorrente a produção de prova em vista da descoberta da verdade material, sob pena de serem coartados os seus legítimos interesses e direitos desprezando-se simplesmente a impugnação deduzida ao crédito do aqui autor - vd. n.° 3 e nº 4 do art° 17,° - D do CIRE

3ª - O plano de recuperação da recorrente foi elaborado tendo por base a continuação da presente ação, a fim de se obter sentença judicial que aprecie e julgue verificado ou não o crédito invocado pelo recorrido, a fim de este poder ser pago no âmbito do PER da recorrente, não podendo, por isso a presente instância ser extinta - vd. parte final, n.° 1, art.° 17-E do CIRE

Em contra-alegações sustenta-se o julgado.

O Emº PGA deu parecer no sentido da improcedência.

Colhidos os vistos dos Ex.mos Srs. Adjuntos há que conhecer do recurso.

***

A factualidade com interesse é a que resulta do precedente relatório.

***

Conhecendo do recurso:
Nos termos dos artigos 635º, 4 e 639º do CPC, o âmbito do recurso encontra-se balizado pelas conclusões do recorrente.
Importa saber se ocorre impossibilidade superveniente da lide nos termos do artigo 17º-E, nº 1 do CIRE e 277º, alínea e) do CPC (ex vi artigo 1º, nº 2, alínea a) do CPT), como se decidiu.
Pretende a recorrente que o crédito do autor no PER foi reconhecido apenas para efeitos de participar na negociação e votação do plano de recuperação. E assim é na verdade como flui liminarmente da leitura da decisão que ordena a sua inclusão na lista provisória de créditos.
E não poderia ser de outro modo. No Per não há em sentido próprio uma verificação e graduação de créditos, e é, não há um procedimento tendente a fazer reconhecer judicialmente os direitos, com a produção da prova pertinente. Visa-se tão só o quórum deliberativo.
Assim e no Per apenas os créditos não controvertidos se consideram definitivamente assentes.
O autor não pode pretender em face dos termos do reconhecimento do seu crédito, que o mesmo está reconhecido para efeitos de a devedora dever pagá-lo nos termos do plano, como se estivesse já definitivamente assente que tem o direito reclamado.
É que o administrador aditou o crédito à lista em obediência ao despacho judicial, no qual se refere que o reconheciemtno tem apenas em vista permitir a intervenção nas negociações.
O que se faz constar do plano quanto ao pagamento não interfere com este limitado reconheciemtno. Não compete ao plano.
Desenvolvendo:
O Artigo 17-E do CIRE refere no nº 1:

- A decisão a que se refere a alínea a) do n.º 3 do artigo 17.º-C obsta à instauração de quaisquer ações para cobrança de dívidas contra o devedor e, durante todo o tempo em que perdurarem as negociações, suspende, quanto ao devedor, as ações em curso com idêntica finalidade, extinguindo-se aquelas logo que seja aprovado e homologado plano de recuperação, salvo quando este preveja a sua continuação.
A questão do prosseguimento ou não da ação declarativa deve ser respondida ponderando a situação factual em que as partes ficam colocadas.
Se o crédito estiver reconhecido no PER, a solução é clara, extinção da instância.
O reconhecimento de um crédito, tem que o ser “ a contento” de ambas as partes, e é, ou porque estão de acordo, não há litigio, o crédito em causa não é controverso, ou porque o mesmo é reconhecido pela autoridade que nos termos da lei tem como missão dirimir o conflito quanto à existência ou não do direito, no termo de um procedimento equitativo em que sejam garantidas as possibilidade de defesa, oferecendo e produzindo provas, com respeito pelo princípio da igualdade das partes – artigos 2º, 3º e 4º do CPC e CRP – artigo 20º.
A participação dos interessados no procedimento, garantindo-se-lhes o direito de oferecer e produzir provas de acordo com o quadro normativo de provas previsto na lei, aplicável a todos os cidadãos, constitui aliás um dos pilares da própria legitimidade da decisão.
Ora o procedimento de reconhecimento do crédito previsto no PER, quando exista controvérsia, não tem a virtualidade de garantir o cabal acesso à justiça, não constitui esse “procedimento equitativo e justo” para efeitos de dirimir em termos definitivos o conflito existente entre as partes, e consequentemente permitir uma decisão “legítima” sobre o direito litigioso. Não tem essa virtualidade, nem a visa como veremos.
A lei no aludido artigo 17-E, nº 1 parte final, refere, “extinguindo-se aquelas logo que seja aprovado e homologado plano de recuperação”.
Esta expressão, deste modo irrestrito apenas se pode compreender e aceitar com o sentido que aparenta, se se entender que as “ações para cobrança de dívidas” a que o normativo se reporta são as executivas, cujo prosseguimento não teria sentido dado que o pagamento do crédito exequendo fica abrangido pelo plano aprovado. Alguns propendem no sentido de que a expressão “ações para cobrança de dívidas” se reporta apenas às ações executivas.
Mas inclinando-se a jurisprudência maioritária para uma interpretação mais abrangente, abarcando ações declarativas, importa então fazer uma leitura diversa, sob pena de prejuízo dos credores não reconhecidos e dos não reclamantes e também da devedora no caso de reconhecimento nos termos do procedimento simplificado previsto, que não garante uma decisão definitiva justa.
No caso de não reconhecimento, o credor, se impedido de prosseguir na ação declarativa, não teria meio de cobrar o seu crédito, já que não foi reconhecido, e é litigioso.
Quando reconhecido, para os casos de reconheciemtno por decisão do juiz, este não elimina a natureza litigiosa do crédito. O reconhecimento no PER tem efeitos limitados, tendo em vista a participação nas negociações e votação.
Note-se que neste tipo de processo, o juiz pode considerar o voto do credor impugnado, não reconhecido. Refere o nº 3 do antigo 17-F; “Sem prejuízo de o juiz poder computar no cálculo das maiorias os créditos que tenham sido impugnados se entender que há probabilidade séria de estes serem reconhecidos, considera-se aprovado o plano de recuperação que…”
É que o PER, dada a sua natureza urgente e a celeridade que o caracteriza, impondo-se prazos curtos, não tem vocação para resolver litígios sobre a existência e amplitude dos créditos, carecidos de uma mais profunda indagação e prova. A decisão sobre a reclamação de créditos é meramente incidental, não constituindo caso julgado fora do processo (art. 91º CPC), visando a formação e apreciação do quórum deliberativo (Carvalho Fernandes e João Labareda, CIRE Anotado, 2.ª edição, 2013, pág. 159 e segs.). Assim é que já se entendeu que mesmo admitido o crédito, caso se prossiga para insolvência, podem vir nesta a ser impugnado mesmo os não impugnados no PER. Ac. RC de 24/6/2014, www.dgsi.pt, processo nº 288/13.7T2AVR-F.C1.
O critério do julgador, dado o curto prazo de apreciação – 5 dias – no caso dos créditos impugnados, pauta-se por uma apreciação sumária. Vd. Decisão de 20/6/2014, RC, processo nº 3106/13.2TBVIS-A.C1.
Pretendeu-se com este procedimento (PER), instituir um processo rápido e expedito, reorientando “ o Código da Insolvência e Recuperação de Empresas para a promoção da recuperação, privilegiando-se sempre que possível a manutenção do devedor no giro comercial, relegando-se para segundo plano a liquidação do seu património sempre que se mostre viável a sua recuperação”, como consta da proposta de Lei nº 39/XII. O mecanismo, como se refere na proposta, pretende-se célere e eficaz, e constitui uma das concretizações de uma das medidas previstas no memorando de entendimento, conforme resolução do C.M nº 43/2011.
Este processo especial tem algum pendor extrajudicial, embora limitado, sujeito aos princípios orientadores aprovados pela Resolução do Conselho de Ministros nº 43/2011, de 25/10, conforme nº 10 do artigo 17-D.
Assim e além do mecanismo estritamente extrajudicial, cujos princípios orientadores constam da dita resolução do CM, criou-se este mecanismo, ainda fortemente extrajudicial, mas com algumas particularidades em relação àquele.
Com o mecanismo em causa, pretendeu-se possibilitar de forma célere a consecução de um acordo entre credores e devedor, tendo em vista a permanência deste no mercado, com as vantagens daí decorrentes (elencadas na resolução do CM nº 43/2011). Apenas é aplicável a empresas que não se encontrem em situação de insolvência, tal como a define o artigo 3, mas apenas se encontrem em situação de insolvência “meramente iminente”.
O processo em causa tem regulamentação própria, bastante simplificada, diversas e distantes da regulamentação do processo de insolvência, (situação em que a empresa não pode encontrar-se).
Assim é que não está prevista a citação de credores. O que resulta do artigo 17º-D, é que o devedor deve, logo que nomeado o administrador provisório (despacho da al. a) do nº 3 do 17-C), comunicar aos restantes credores, a todos os que não hajam subscrito a declaração mencionada no nº 1 do art. 17º-C, que deu início a negociações com vista à sua revitalização, convidando-os a participar, prestando as demais informações que refere o normativo.
Saliente-se que nos termos do nº 11 do artigo 17-D, o devedor, bem como os seus administradores de direito ou de facto, no caso de aquele ser uma pessoa coletiva, são solidária e civilmente responsáveis pelos prejuízos causados aos seus credores em virtude de falta ou incorreção das comunicações ou informações a estes prestadas.
O mecanismo de reclamação previsto no nº 2 do artigo 17-D, que refere que qualquer credor dispõe de 20 dias contados da publicação no portal Citius do despacho a que se refere a alínea a) do n.º 3 do artigo anterior para reclamar créditos, devendo as reclamações ser remetidas ao administrador judicial provisório, não tem outra função que não a de permitir a intervenção dos credores para efeitos de negociações e votação do plano.
Veja-se o que conta na proposta de Lei nº 39/XII:
“Este processo especial permite ainda a rápida homologação de acordos conducentes à recuperação de devedores em situação económica difícil celebrados extrajudicialmente, num momento de pré-insolvência, de tal modo que os referidos acordos passem a vincular também os credores que aos mesmos não se vincularam, desde que respeitada a legislação aplicável à regularização de dívidas à administração fiscal e à segurança social e observadas determinadas condições que asseguram a salvaguarda dos interesses dos credores minoritários. “

Prevê-se ainda uma tramitação bastante simplificada para a efetivação das reclamações de créditos, bem como da impugnação dos créditos reclamados, sem no entanto se fazer perigar a observância do princípio do contraditório, e definem-se prazos bastante curtos para a sedimentação dos créditos considerados definitivos, em ordem a permitir-se uma rápida tramitação deste processo especial e, assim, preservando-se a possibilidade de recuperação do devedor que se encontre envolvido no mesmo.”
Por outro, a não reclamação não faz precludir o direito do credor, pois se assim fosse careceria de sentido o disposto no nº 11 do artigo 17-D e o disposto no artigo 17-F, nº 6, que refere que a decisão do juiz vincula todos os credores mesmo que não hajam participado nas negociações.
Outras normas apontam no mesmo sentido, como o já referido nº 11 do artº 17-D, e sobremaneira o nº 7 do artigo 17-G. Refere este:
“Havendo lista definitiva de créditos reclamados, e sendo o processo especial de revitalização convertido em processo de insolvência por aplicação do disposto no n.º 4, o prazo de reclamação de créditos previsto na alínea j) do n.º 1 do artigo 36.º destina -se apenas à reclamação de créditos não reclamados nos termos do n.º 2 do artigo 17.º -D.”
Esta norma só pode significar que a não reclamação de crédito nos termos do artigo 17-D, nº 2 não tem os efeitos preclusivos (ou quase preclusivos) relativamente aos créditos contra o devedor como ocorre no processo de insolvência (onde resta após o decurso do prazo de reclamação de créditos, o recurso ao artigo 146 ss ).
Ora, não havendo efeito preclusivo, haverá que permitir o recurso a tribunal a fim de ver reconhecido o direito que a devedora não reconhece. E por uma questão de economia processual, deve aproveitar-se o processo que tenha sido suspenso nos seus termos ao abrigo da primeira parte do nº 1 do artigo 17-F.
Todo este raciocínio é aplicável aos créditos controversos, abrangendo pois os créditos reconhecidos por decisão do juiz para os apontados efeitos limitados de formação de quórum deliberativo.
Em conclusão, a não se admitir o curso da ação declarativa, ficaria uma das partes sem proteção, com violação do direito a um processo equitativo e justo, ou porque os créditos litigiosos não reconhecidos ficariam sem proteção, ou porque, sendo reconhecidos no âmbito do procedimento sumário referido, sem acordo, deixariam o devedor na impossibilidade de demonstrar num procedimento justo e equitativo, a não existência dos mesmos, o que de um ou outro modo viola as mais elementares regras e princípios do Estado de Direito.
Assim procede a apelação.
*
DECISÃO:
Acordam os juízes do Tribunal da Relação de Guimarães em julgar procedente a apelação, revogando-se a decisão recorrida e determinando-se o prosseguimento dos autos.
*
Custas pelo recorrido.
G. 19.01.2017
Antero Veiga
Alda Martins
Eduardo Azevedo

Conexões do processo:

Mostrar gráfico

Classificação Decimal Universal (CDU):

Sugerir área temática
Tribunal da Relação de Coimbra

Arlindo Oliveira

3106/13.2TBVIS-A.C1 • 20 Junho, 2014

reclamação de créditos processo especial de revitalização meios de prova
Tribunal da Relação de Guimarães

Vera Sottomayor

1446/20.3T8BRG.G1 • 21 Janeiro, 2021

créditos laborais per suspensão da instância
Tribunal da Relação de Évora

Manuel Bargado

676/16.7T8PTM-B.E1 • 12 Julho, 2018

acesso ao direito processo especial de revitalização embargos de executado
Tribunal da Relação do Porto

José Igreja de Matos

5831/15.4T8OAZ.P1 • 14 Dezembro, 2017

créditos vencidos créditos posteriores á data reclamação de créditos

Esta decisão foi disponibilizada publicamente pelo Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça.

Como parte de um esforço constante de proteção de dados pessoais, este processo foi atualizado a 09 Fev. 2017. Até agora, foi atualizado 1 vez.
Topo