Sumário

O exequatur do tribunal português conferido a sentença proferida por um tri-bunal inglês com pressuposto específico de exequibilidade;
Nulidade da citação efectuada no procedimento do exequatur e seus efeitos no processo executivo instaurado como base na sentença cuja executoriedade fora ali declarada.

1. O exequatur conferido por tribunal português a uma sentença proferida por um tribunal inglês constitui um requisito específico de exequibilidade do título, nos termos conjugados dos artigos 49, nº 1, do CPC e 38º, nº 1, do Regulamento (CE) nº 44/2001 do Conselho, de 22/12/2000.
2. A anulação da declaração de executoriedade decorrente da nulidade da citação no procedimento de concessão do exequatur determina a inexequibilidade superveniente do respectivo título e, consequentemente, a extinção da execução instaurada com base nele, sem prejuízo de poder ser renovado o exequatur, pós a repetição das citação, e de ser interposta outra execução com base na nova decla-ração de executoriedade.
3. A decisão proferida no procedimento do exequatur que julgar procedente a nulidade de citação ali efectuada, uma vez transitada em julgado, vincula as partes no processo executivo instaurado com base na declaração de executorie-dade conferida naquele procedimento.
4. Segundo nº 3 do artigo 47º do citado Regulamento, durante o prazo do recurso da decisão de declaração da executoriedade previsto no nº 5 do artigo 43º e na pendência de decisão sobre o mesmo, só podem tomar-se medidas cautelares sobre os bens da parte contra a qual a execução for promovida; por maioria de razão o será quando o respectivo procedimento do exequatur seja anulado.
(Sumário do Relator)

Decisão

Acordam no Tribunal da Relação de Lisboa:

I – Relatório

1. V, S.A., deduziu, junto do Tribunal Cível de , oposição à execução contra ele instaurada por S Limited, sociedade de responsabilidade limitada de Direito Britânico, com base em sentença proferida por um tribunal inglês, a que foi conferida força executória, ao abrigo do Re-gulamento nº 44/2001 do Conselho, de 22/12/2000, alegando a nulidade da citação da executada para o procedimento de declaração de executoriedade, por falta de cumprimento das formalidades previstas no artigo 235º, nº 2, do CPC.

         2. Notificada, a exequente contestou, impugnando, de forma moti-vada, aquele fundamento da oposição.

         3. Foi proferida decisão a julgar procedente a oposição deduzida e a determinar a consequente extinção da execução.

         4. Inconformada com tal decisão, a exequente/contra-oponente agra-vou dela, formulando as seguintes conclusões:

1ª - O título dado à execução é uma sentença proferida em Ingla-terra que não perdeu a sua exequibilidade como, erradamente, se afirma na decisão recorrida;

2ª – Se é certo que foi declarada a nulidade da citação da sentença que declarou a executoriedade em Portugal da sentença inglesa, é também certo que tal nulidade foi plenamente sanada com a repe-tição de tal citação;

3ª - O facto de não ter ainda transitado em julgado a decisão que reconhece executoriedade à sentença inglesa, pelo facto de ter sido interposto recurso de apelação para o Tribunal da Relação de Lis-boa, não acarreta, de per si, a inexequibilidade do título;

4ª – Nos termos do disposto no nº 1 do artigo 47º do CPC, a sentença só constitui título executivo depois do trânsito em julgado, salvo se o recurso contra ela interposto tiver efeito meramente devo-lutivo, como no presente caso;

5ª - A única consequência advinda do facto de não ter ainda a sentença transitado em julgado é o facto de não poder o exequente e ora recorrente ou qualquer credor ser pago sem prestar caução, conforme o previsto no nº 3 do citado artigo 47º, solução esta idêntica à adoptada no nº 3 do artigo 47º do Regulamento CEE nº 44/2001;

6ª – Não poderá portanto a exequente ser paga, mas podem e de-vem ser promovidas medidas cautelares no âmbito da execução, que deve avançar, à luz do princípio de economia processual;

7ª – Assim, o título é exequível, não cabendo qualquer fundamento para a aplicação da alínea a) do artigo 814º do CPC;

8ª - Por outro lado, tampouco é aplicável o disposto na alínea d) do mesmo artigo, atendendo à factualidade em análise;

9ª - Foi decretada nos autos a nulidade da sentença que decretou a executoriedade em Portugal da sentença inglesa e não a nulidade da citação da acção declarativa, pois que esta decorreu em território inglês e nunca foi posta em causa;

10ª - Foi antes declarada a nulidade da citação para o procedi-mento do reconhecimento da executoriedade da sentença estran-geira, procedimento completamente distinto e praticamente automá-tico, nos termos do identificado Regulamento;

11ª – Pelo que não estão preenchidos os elementos necessários à aplicação da norma: houve citação válida do R. para a acção declarativa, que decorreu em Inglaterra, não tendo o mesmo intervindo naquela acção; a citação nula diz respeito ao procedi-mento posterior de reconhecimento em Portugal da executoriedade da sentença inglesa;

12ª – Ainda que assim se não entenda, sempre estaria sanada tal nulidade;

13ª – Pode ainda ponderar-se a questão de estar pendente acção comum destinada a abalar a validade do título executivo, neste caso a sentença inglesa, assente nos mesmos fundamentos da presente oposição;

14ª – É já jurisprudência firme em Portugal que, em tais situações, e uma vez que não pode ocorrer a suspensão da instância nas acções executivas com fundamento na existência de causa prejudicial, não deverá ser decretada a extinção da execução;

15ª – A execução não depende da acção declarativa, já que na-quela não se discute a existência ou não do direito; na acção declarativa, discute-se se o direito existe e se deve ou não ser decla-rado; na execução exerce-se esse direito, através do título executivo que, em princípio, traduz um direito já declarado e que se pretende realizar;

16ª – Daí que a acção declarativa não seja causa prejudicial da acção executiva;

17ª – Nas acções executivas não pode pois ocorrer suspensão da instância com fundamento em causa prejudicial; a questão de preju-dicialidade apenas se poderia colocar relativamente à própria opo-sição à execução;

18ª – Parece existir uma causa prejudicial, pois a pretensão deduzida na acção declarativa constitui um pressuposto da preten-são deduzida na oposição à execução, pelo que a oposição à execu-ção pode e deve ficar suspensa, por existir causa prejudicial, mas tal não significa que a execução se extinga.

Pede a recorrente que seja julgado procedente o recurso com todas as consequências legais.

5. O agravado apresentou contra-alegações, em que conclui pelo acerto da decisão recorrida.

Colhidos os vistos, cumpre apreciar e decidir.

         II – Delimitação do objecto do recurso

Como é jurisprudência sedimentada e conforme o disposto nos artigos 684º, nº 3, e 690º, nº 1, do CPC, o objecto do recurso é delimitado em função do teor das conclusões do recorrente.

Face às conclusões da recorrente, a questão a decidir consiste tão só em ajuizar se a nulidade da citação da requerida e ora agravada, proferida no processo em que foi declarada a executoriedade da sentença exequenda constitui fundamento relevante para a procedência da presente oposição e consequente extinção da execução.

                 

III – Fundamentação

1. Factualidade processual relevante

         Vem dada como provada em 1ª instância a seguinte factualidade processual:

1.1. No 2º Juízo Cível da Comarca de  correm termos os autos de confirmação de sentença estrangeira, sob o nº  em que é requerente a sociedade S, Limited, e requerida V, S.A., nos quais foi proferida, em 3/4/2006, sentença conferindo força executiva em Portugal à sentença do High Court of Justice - Queen’s Bench Division, de Inglaterra, proferida em 5/5/2005, condenando a ora requerida a pagar à ora requerente a quantia de £ 34.160,20, a que corresponde € 49.246,30, acrescida de juros de mora à taxa em vigor;

         1.2. Por requerimento apresentado, em 23/11/2006, no processo aci-ma indicado, a ora recorrida V, S.A. arguiu a nulidade da sua citação para os termos daquele processo;

1.3. Por despacho proferido em 14/1/2008, transitado em julgado em 28/1/2008, nos referidos autos, foi julgada nula a citação da requerida e de-terminada a sua repetição.        

         2. Mérito do recurso

         Estamos no âmbito de um procedimento declarativo de oposição a execução para pagamento de quantia cerca fundada em sentença estran-geira, proferida por um tribunal inglês, à qual foi conferida executoriedade por um tribunal português, nos termos e segundo o procedimentos previstos nos artigos 38º e seguintes do Regulamento (CE) nº 44/2001 do Conselho, de 22 de Dezembro de 2000, que versa sobre a Competência Judiciária, Reconhecimento e Execução de Decisões em Matéria Civil e Comercial.  

         A referida decisão exequenda constitui título executivo em termos idênticos às sentenças nacionais condenatórias, nos termos conjugados dos artigos 46º, nº 1, alínea a), e 49º, nº 1, do CPC, com referência ao artigo 38º, nº 1, do mencionado Regulamento, estando, nessa medida, sujeita ao âmbito de oponibilidade enunciado, de forma taxativa, no artigo 814º do CPC. Nessa medida, a concessão do exequatur pelo tribunal português à sentença do tribunal inglês é um requisito específico de exequibilidade deste título.

         Ora, a agravada deduziu a presente oposição à referida execução, invocando a nulidade da citação efectuada no procedimento para concessão da executoriedade, previsto nos artigos 39º e seguintes do citado Regula-mento, ao abrigo do disposto na alínea d) do sobredito artigo 814º, na redacção anterior ao Dec.Lei nº 226/2008, de 20 de Novembro.

         Sucede que foi também arguida aquela nulidade de citação no res-pectivo procedimento de exequatur, tendo sido ali sido proferida decisão transitada em 21/1/2008, a julgar procedente tal nulidade e a ordenar a sua repetição. A referida decisão tem, desde logo, por efeito necessário a des-truição da exequibilidade da sentença exequenda, sem prejuízo dessa exe-quibilidade por vir a ser novamente conferida na sequência da repetição da citação ordenada e de, com base nela, a ora recorrente poder instaurar nova execução.

         Mas o que acontece, no âmbito do presente processo, é que o título dado à execução deixou manifestamente de ser dotado de exequibilidade, vício este que tanto é de conhecimento oficioso, nos termos, aliás, previstos no artigo 820º do CPC, como poderá servir de fundamento de oposição superveniente, nos termos dos artigos 813º, nº 3, e 814º, alínea a), do CPC.  

         De qualquer modo, a decisão que julgou procedente a nulidade de citação no procedimento do exequatur fez caso julgado formal entre as partes, tornando-se também vinculativa nestes autos, na medida em que a presente execução é dependente deles, podendo por isso ser aqui assumida como tal na verificação do fundamento de oposição invocado.

         Nem contra isso vale argumentar com o reconhecimento da decisão estrangeira decorrente do preceituado no artigo 33º do Regulamento nº 44/2001. É que esse reconhecimento não dispensa a outorga da executorie-dade pelo tribunal português, como bem se depreende do preceituado no artigo 38º, nº 1, do mesmo diploma.

         O que aqui está em causa é tão só a questão da validade da citação da requerida no âmbito do procedimento do exequatur e essa validade ficou liquidada com a decisão que julgou nula aquela citação, obliterando dessa forma, e por ora, a executoriedade do título ali conferida, sem a qual não se pode manter a validade da presente instância executiva, por falta manifesta de exequibilidade do título, como pressuposto processual que é.

         Argumenta também a agravante que lhe é lícito promover medidas provisórias ou cautelares ao abrigo do artigo 47º do Regulamento citado, o que se encontra bem expresso naquele normativo. Mas uma coisa são essas medidas provisórias ou cautelares, como, por exemplo, o arresto de bens, outra bem diferente é a instauração de um meio de tutela definitivo como é a acção executiva. De resto, o nº 3 daquele normativo é bem elucidativo quando estabelece que, durante o prazo do recurso da decisão de declaração da executoriedade previsto no nº 5 do artigo 43º e na pendência de decisão sobre o mesmo, só podem tomar-se medidas cautelares sobre os bens da parte contra a qual a execução for promovida. Se assim é nesses casos, por maioria de razão o será quando o respectivo procedimento do exequatur se-ja anulado, como sucede no caso dos autos.

         Nem tão pouco estamos perante uma causa prejudicial pendente, que justifique a suspensão da presente instância de oposição, como pretende a agravante, porquanto se encontra já transitada a decisão que julgou nula a citação.    

         Termos em que se conclui pela total improcedência das razões do agravo.

                 

III – Decisão

Pelo exposto, acordam os juízes deste Tribunal da Relação em negar provimento ao agravo, mantendo a decisão recorrida.

Custas pela recorrente.

        

Lisboa, 16 de Junho de 2009

Manuel Tomé Soares Gomes

Maria do Rosário Oliveira Morgado

Rosa Maria Ribeiro Coelho     

Conexões do processo:

Mostrar gráfico

Classificação Decimal Universal (CDU):

Pesquisar por área temática Sugerir área temática

Esta decisão foi disponibilizada publicamente pelo Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça.

Como parte de um esforço constante de proteção de dados pessoais, este processo foi atualizado a 22 Out. 2017. Até agora, foi atualizado 1 vez.
Topo