Sumário

O conhecimento oficioso do abuso do direito (artigo 334.º do Código Civil) não implica que o Tribunal indague oficiosamente os factos que eventualmente poderiam, no caso, integrar essa figura jurídica.

(SC)

Decisão

Acordam no Tribunal da Relação de Lisboa


Veio nos presentes autos ˚I.[…] SA pedir a condenação de […] Sport a pagar-lhe a quantia de € 5.389,66, com acréscimo de juros.

Alega para tal e em síntese ter celebrado com a Ré um contrato de seguro para o ramo acidentes pessoais de grupo.

O seguro foi celebrado em 1/8/98 pelo prazo de um ano.

O prémio correspondente era um prémio único, que a Ré nunca pagou, o que levou à resolução do contrato pela Aª em 19/5/99.

A Ré contestou alegando que, de acordo com os seus Estatutos, a mesma só se obriga mediante as assinaturas conjuntas do seu Presidente, Tesoureiro e Secretário em exercício de funções.

O contrato junto pela Aª apenas contém uma assinatura, de alguém sem poderes para o efeito.

O negócio celebrado por alguém sem poderes de representação em nome de outrem, é ineficaz em relação a este se não for por ele ratificado.

A Ré nunca ratificou o contrato.

Foi proferida decisão que julgou acção improcedente.

*
Inconformada, recorre a Seguradora concluindo que:
– A apelada confessou a celebração do contrato de seguro.
– Fê-lo, para invocar a ilegitimidade da Aª.
– Só para o caso de a excepção não proceder é que alegou a apelada a falta de poderes de quem subscreveu o contrato.
– O que configura, por parte da Ré, uma actuação abusiva e reprovável.
– Contudo, o Mº juiz a quo não entendeu existir uma situação de abuso de direito.

– Não era necessário que a ora recorrente tivesse invocado expressamente o abuso de direito, desde que este decorresse da factualidade dos autos.
– Poderia igualmente o tribunal ter convidado a Aª a concretizar os factos em que assentou a alegação desta, de que o contrato em causa apenas aproveitou à apelada e que só ela tirou proveito dos seus efeitos.

*

Foi dado como provado que:
A) A fls. 6 consta a cópia de um documento, datado de 1/8/98, emitido pela Companhia de Seguros […], que indica o nº de apólice […], constando como tomador do seguro a Ré, destinando-se tal contrato a segurar acidentes pessoais de grupo pelo período de um ano.
B) No espaço intitulado “assinatura do tomador” encontra-se aposto um carimbo ilegível e uma única assinatura, também ilegível.
C) Em 15/2/99 a Aª emitiu e apresentou a pagamento o recibo relativo ao prémio único, no montante de € 5.165,20, que a Ré não pagou.
D) Em 12/4/99 a Aª emitiu e apresentou a pagamento o recibo relativo ao acerto de prémio por alterações no capital seguro ocorridas entre 1/8/98 e 31/7/99, no montante de € 224,46.
E) Em 19/5/99 a Aª comunicou à Ré que rescindia o contrato de seguro e que aquela era devedora da quantia de € 5.389,66.
F) Nos termos dos Estatutos da Ré, no seu art.º 27º, “nas operações financeiras são obrigatórias as assinaturas conjuntas d Presidente e do Tesoureiro (...) Nos actos de mero expediente bastará a assinatura de qualquer membro da Direcção (...) O […] Sport obriga-se com as assinaturas conjuntas do seu Presidente, tesoureiro e secretário em exercício de funções”.

*

2

Cumpre apreciar.
A questão colocada no presente recurso, atentas as respectivas conclusões, é a de saber se existiu abuso de direito por parte da Ré.

Na decisão recorrida e face ao teor do art.º 163º do CC que dispõe que a representação da pessoa colectiva de direito privado cabe a quem os estatutos determinarem, concluiu-se que. exigindo os estatutos da Ré que esta seja representada pelas assinaturas do Presidente, Secretário e Tesoureiro em exercício, e constando do contrato apenas uma assinatura, a Ré não se vinculou ao contrato de seguro.

Sendo pois inexigível o cumprimento de quaisquer obrigações decorrentes de tal seguro.

A recorrente não põe em causa tal raciocínio mas entende que a Ré deveria ter sido condenada no pedido no âmbito do abuso de direito.

Curiosamente, na sua resposta à contestação, a Aª nunca invoca o abuso de direito. Foi o Mº juiz a quo que, na sentença, suscitou a questão, apenas para chamar a atenção que a Aª poderia ter lançado mão de tal instituto jurídico, invocando factualidade adequada, mas não o fez.
Só agora, em sede de apelação, vem a Seguradora invocar o abuso de direito, aproveitando as considerações feitas a este respeito na sentença.

Para começar, diremos que a Ré, nem no art.º 1º da contestação nem em nenhum outro confessou ter celebrado o contrato de seguro.

O art.º 1º desse articulado tem o seguinte teor:
“O contrato junto como documento 1 à petição inicial, foi realizado entre a Companhia de Seguros Bonança, Sociedade Anónima, e não com a A. devidamente identificada nos autos, pelo que não se pode aferir a legitimidade da A. para intervir na presente acção”.

Como é fácil de ver, a Ré apenas menciona, no âmbito da celebração do contrato, a Aª e a entidade celebrante Companhia de Seguros Bonança. Nunca se refere a si própria.
Logo, não é verdade que a Ré tenha aceite ter sido parte celebrante nesse contrato de seguro.

3

E ao alegar a prescrição, a Ré não admite ter celebrado o contrato por quem devidamente a represente. Limita-se a afirmar não ser comerciante, sendo uma associação desportiva de direito privado, acrescentando que “nem destinou o produto adquirido à Companhia de Seguros Bonança para o seu comércio tendo em conta a característica do produto vendido, ou seja, um seguro de acidentes pessoais”.
Este tipo de alegação não nos parece configurar qualquer espécie de confissão. Limita-se a alegar um facto sem o qual não seria viável a invocação da suposta prescrição presuntiva.

Recordemos que, nos termos do art.º 490º nº 2 do CPC, se consideram admitidos por acordo os factos não impugnados, salvo se estiverem em oposição com a defesa considerada no seu conjunto. O que é exactamente o caso em apreço.

Além disso, repete-se, a Ré, mesmo nessa parte do articulado, não admite ter sido devidamente representada na celebração do contrato. Ora, a questão da representação é a base da oposição da Ré ao pedido da Aª, por entender que a única assinatura constante da apólice não a pode obrigar.

Processualmente, entendemos que a Contestação da Ré não integra a conduta “abusiva e reprovável” a que a recorrente alude nas suas conclusões.

O abuso de direito, tal como definido pelo art.º 334º do CC, determina a ilegitimidade do exercício de um direito sempre que o titular exceda manifestamente os limites impostos pela boa fé, pelos bons costumes ou pelo fim económico e social desse direito.

Ao invocar a falta de representação adequada aquando da celebração do contrato, a Ré não incorre no chamado venire contra factum proprium na medida em que não existe qualquer indício nos autos de um comportamento da Ré que, razoavelmente, conduzisse à convicção da Aª de que tal invocação nunca seria formulada.

Do mesmo modo e face à factualidade atendível não se pode concluir que a Ré use o direito para fins diversos dos que presidiram à sua constituição ou que o mesmo seja ofensivo dos bons costumes.

A Ré limita-se a invocar os seus estatutos, que determinam o modo como poderá ser representada, sendo que o contrato dos autos contém um carimbo ilegível e uma assinatura igualmente ilegível no espaço reservado ao tomador do seguro.


4


É patente, como se refere na decisão recorrida, que a seguradora deveria ter um pouco mais de cuidado ao celebrar os seus contratos, nomeadamente tratando-se de pessoas colectivas de direito privado. Um carimbo e uma assinatura inteiramente ilegíveis (ver fls. 8) não deveriam ser aceites pela Aª, sem mais, sob pena de se sujeitar posteriormente a problemas como o dos autos.

Sendo verdade que o abuso de direito é de conhecimento oficioso, isso não significa que o juiz deva convidar a parte (que nem sequer o invocou) para indicar factos que possam suportar esse mesmo abuso de direito.

O conhecimento oficioso significa apenas que o juiz, perante os factos que constam dos autos, retira a conclusão que uma das partes – ou até ambas – estão a incorrer na previsão do art.º 334º, embora nenhuma delas o tenha invocado. Não significa que o juiz convide a parte a alegar factos que até então não constam do processo para depois aferir se existiu ou não abuso de direito.

Se, por hipótese, constasse dos autos que a Ré, num caso de acidente, havia lançado mão da apólice para obter a compensação contratual, é manifesto que a sua presente invocação de falta de representação na celebração do contrato revelaria profunda má fé. Mas o nível de intervenção oficiosa do tribunal situar-se-ia justamente no plano de tal conclusão jurídica, mesmo não invocada pela seguradora: seria porque os factos atendíveis revelavam a existência de uma das modalidades de abuso de direito que o julgador, por sua iniciativa, julgaria a atitude da Ré abrangida pelo art.º 334º e a condenaria no pedido nessa base.

Mas pretender, como o faz a recorrente, que o juiz, na ausência de invocação de abuso de direito pela parte, na ausência de factos que o indiciem, a fosse convidar a alegar factualidade que pudesse integrar o abuso de direito, constitui uma tese inaceitável a todos os títulos.
Em suma: uma coisa é não invocar o abuso de direito, que é de conhecimento oficioso, outra, inteiramente diversa, o não alegar factos – nem estes constarem dos autos, por qualquer outro modo – que a ele possam conduzir. A Aª incorreu em ambas as situações, pelo que só de si se pode queixar, nunca do tribunal que não omitiu qualquer dever a que estivesse legalmente vinculado.

5

Citem-se em conclusão, as avisadas palavras de Meneses Cordeiro:
O abuso do direito é um excelente remédio para garantir a supremacia do sistema jurídico e da Ciência do Direito sobre os infortúnios do legislador e sobre as habilidades das partes. (...) Há que usá-lo sempre que necessário. Mas nunca pode ser banalizado: havendo solução adequada de Direito estrito, o intérprete-aplicador terá de procurá-la, só subsidiariamente se reconfortando no abuso de direito. E só conjunturas muito ponderosas e estudadas poderão justificar uma solução contrária à lei estrita”. (“Tratado de Direito Civil Português” I, p. 248).


Assim e pelo exposto acorda-se julgar improcedente a apelação.
Custas pela apelante.


LISBOA, 4 de Outubro de 2007

(António Valente)

(Ilídio Sacarrão Martins)

(Teresa Pais)

Conexões do processo:

Mostrar gráfico

Classificação Decimal Universal (CDU):

Pesquisar por área temática Sugerir área temática

Esta decisão foi disponibilizada publicamente pelo Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça.

Como parte de um esforço constante de proteção de dados pessoais, este processo foi atualizado a 01 Jul. 2014. Até agora, foi atualizado 1 vez.
Topo