Sumário

I-Carece o Ministério Público de legitimidade para deduzir a reclamação prevista no artigo 417º/8, 419 nº 3 a) do Código de Processo Penal, pela simples razão de que a decisão sumária não teve como objecto recurso por si interposto, e que sobre o qual até emitiu parecer no sentido da sua improcedência;
II- Só o recorrente, ou seja, o verdadeiro afectado pela decisão sumária pode lançar mão da reclamação prevista no artigo 417º/8 C P Penal.

Decisão

Acordam na 9ª secção Criminal do Tribunal da Relação de Lisboa

Nos presentes autos de recurso penal em separado com o nº 19/17.2F1PDL.L1-A, interposto pelo arguido L… devidamente identificado nos autos, foi efectuado o exame preliminar neste Tribunal da Relação de Lisboa pela Juíza Desembargadora relatora e foi considerado existirem motivos atendíveis e legais, para a rejeição do recurso passando então a proferir decisão sumária, a qual, se encontra junta aos autos a folhas 80.
O arguido não reagiu contra tal decisão, mesmo tendo sido antes convidado a aperfeiçoar o requerimento do recurso que tempestivamente apresentou.
No prazo legal, veio o MºPº e ora reclamante, a fls. 83 e 84 que se tem aqui por integralmente reproduzida, deduzir uma reclamação para a conferência ao abrigo do disposto no artº 417º nº 6 do CPP, alegando em suma a nulidade daquela decisão por omissão de pronúncia, por não ter sido conhecido objecto do recurso e requerendo que tal nulidade seja conhecida e suprida em sede de conferência a realizar neste Tribunal da Relação, 9ª secção, o que e salvo o devido respeito por outra opinião, não corresponde à verdade, pois houve decisão sobre o modo do recurso apresentado pelo arguido que levou à sua rejeição.
O recurso foi interposto, unicamente, pelo arguido, como já foi dito.
Notificado da decisão sumária, não veio o arguido reclamar para a conferência, nos termos do artigo 417º/8 C P Penal. Nesta circunstância, quem tem, naqueles termos, legitimidade para reclamar para a conferência?
O arguido, porque recorrente, e, por isso, afectado pela decisão sumária, necessariamente.
Parece-nos que não o MºPº.
Com efeito, a decisão sumária conforma-se, negativamente, em relação à decisão do recurso, pois ela só tem lugar quando alguma circunstância obsta ao seu conhecimento, quando deve o mesmo ser rejeitado, quando existe causa extintiva do procedimento ou da responsabilidade criminal que põe termo ao processo, ou é o único motivo do recurso ou quando a questão a decidir fora, já, judicialmente apreciada de modo uniforme e reiterado, artigo 417º/6 alíneas a), b), c), d) C P Penal.
Em suma a decisão sumária incide sobre o recurso.
Ora, e sendo assim, como temos por seguro que é, é de toda a lógica e coerência, que somente o recorrente, ou seja, o verdadeiro afectado pela decisão sumária possa lançar mão da reclamação prevista no artigo 417º/8 C P Penal (Cfr. Paulo Pinto de Albuquerque, in Comentário do Código de Processo Penal, à luz da Constituição da República e da Convenção Europeia dos Direitos do Homem, 2ª edição actualizada, pág. 1145, “a nova competência do relator é provisória, podendo o sujeito ou participante processual afectado reclamar para a conferência dos despachos proferidos pelo relator”).
O que, aliás, entronca no que se pode ter, genericamente, por legitimidade para reagir contra uma decisão da qual se discorda, e que é pressuposto que, em regra, respeita àquele que é afectado por essa decisão.
A legitimidade estará vinculada à lesão de direitos subjectivos ou interesses legalmente protegidos.
Se se reconhecesse legitimidade ao Ministério Público para deduzir a reclamação prevista no artigo 417º/8 C P Penal, quando não tivesse interposto o recurso - objecto de decisão sumária - estar-se-ia a criar e sustentar um autêntico absurdo, quer interpretativo, quer processual (vide AC TRP de 8.06.2011 in www.dgsi.pt que supra se transcreveu parcialmente)
Na verdade, desde logo, estar-se-ia a possibilitar ao MºPº reagir a uma decisão que não se pronunciou, sobre recurso “ que nem sequer interpôs” e que, até emitiu parecer no sentido da sua improcedência.
“Depois, porque o recorrente não veio reagir contra a decisão sumária, com ela se conformando, donde, o prosseguimento dos termos do recurso, que o recorrente não intentou prosseguir, ficar-se-ia a dever a sujeito processual que não havia discordado da decisão recorrida, e que dela não interpusera recurso, enfatiza-se.
Finalmente, se não tivesse sido interposto recurso por sujeito processual diferente do MºPº e, obviamente, este não o interpusesse, o que sobreviria, sem mais, era o trânsito em julgado da decisão, o que possibilita a ilação de que tem de ser esta a consequência quando, tendo havido recurso interposto, o seus termos venham a cessar com a decisão sumária a rejeitá-lo por manifestamente improcedente. E isto - acrescente-se - tenha a decisão sumária o fundamento (…) que tiver.
Isto é, carece o Ministério Público de legitimidade para deduzir a reclamação prevista no artigo 417º/8, 419 nº 3 a) C P Penal, pela simples razão de que a decisão sumária não teve como objecto recurso por si interposto. Antes, o foi pelo arguido, que não apresentou reclamação contra a decisão sumária.” ( vide supra Ac já citado)
Aliás diga-se até transversalmente que nestes termos tem interesse o Ac de fixação de jurisprudência, que ao abrigo do disposto no artigo 446 nº3 do Código de Processo Penal, procedeu ao reexame da jurisprudência constante do Acórdão de Fixação de Jurisprudência nº5/94 de 27/10/1994 decidindo-se, em face da evolução jurisprudencial descrita que:
“Em face das disposições conjugadas dos artigos 48° a 53º, e 401, do Código de Processo Penal o Ministério Público não tem interesse em agir para recorrer de decisões concordantes com a sua posição anteriormente assumida no processo", remetendo-se ainda para a sua leitura integral.
Mais se dirá no entanto que, também na reclamação apresentada o MºPº não se vincou em prol de quem foi apresentada, nem que esta, (que já se viu que “in casu” não é admissível) fosse para a melhoria da aplicação do direito ou à promoção da uniformidade da jurisprudência (e mesmo assim só possível em termos recursais).

No mais, sempre diremos e agora quanto à substância da globalidade da decisão sumária ora reclamada, que este Tribunal Colectivo, analisando-a, delibera confirmar a integralidade da mesma, subscrevendo-a e reproduzindo aqui, para todos os efeitos legais, todos os seus fundamentos atrás aflorados naquela decisão que se dá aqui por inteiramente reproduzida, o que se declara.
                              
DISPOSITIVO:
1.Pelo exposto indefere-se, pelos motivos supra expostos a reclamação confirmando-se a decisão reclamada;
2. Sem custas, uma vez que MºPº delas está isento;    
3. Notifique-se e demais diligências necessárias.
                              
Lisboa, 7 de Fevereiro de 2019 (elaborado em computador e revisto pela relatora, artigo 94º nº 2 do CPP)
Filipa Costa Lourenço
Anabela Cabral Ferreira

Conexões do processo:

Mostrar gráfico

Classificação Decimal Universal (CDU):

Pesquisar por área temática Sugerir área temática

Esta decisão foi disponibilizada publicamente pelo Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça.

Como parte de um esforço constante de proteção de dados pessoais, este processo foi atualizado a 08 Ago. 2019. Até agora, foi atualizado 9 vezes.
Topo