Sumário

I- Os tribunais de execução de penas sempre emitiram mandados de libertação, (assim como de captura e de detenção), porém, condicionados aos casos em que concedem a liberdade condicional (mandados de libertação) ou em que é necessário de fazer cumprir uma decisão sua (mandados de detenção ou de captura, por exemplo, em caso de revogação da liberdade condicional ou de o condenado se encontrar em ausência ilegítima).
A competência do TEP no que respeita aos mandados de desligamento/ligamento, a sua emissão pelos tribunais de execução de penas circunscreve-se aos casos em que, no uso da competência que lhes é conferida pelo art. 63.°, n.° 1, do Código Penal, ordenam a interrupção do cumprimento da pena, tendo em vista possibilitar a oportuna apreciação da liberdade condicional;

II- Nestes termos e terminando o arguido o cumprimento da pena em data determinada, compete ao Juiz que efectuou o julgamento do processo emitir os competentes mandados de libertação e não ao Tribunal de Execução de Penas.

Decisão

Conflito de Competência


I.

Suscita-se nos presentes autos a resolução de um conflito negativo de competência que opõe os M.mos Juízes dos Tribunal de Execução de Penas de Lisboa — J1 e do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Oeste - JCCriminal - J21, respectivamente, porquanto ambos se atribuem mutuamente competência para proceder à emissão de mandado de libertação do arguido AM... pelo cumprimento da pena em que foi condenado.

Ambos os despachos transitaram tendo sido suscitado o conflito negativo de competência.

Neste Tribunal, foi cumprido o art. 36.°, n° 1 CPP.

Assim, e porque ambos os tribunais se atribuem mutuamente competência, negando a própria para conhecer da questão, estamos perante um conflito negativo de competência, tal como definido no art. 115.°, n.° 2 do Cód. Proc. Civil.

II.

Cumpre decidir.

Dos autos conclui-se que:
- O arguido termina o cumprimento da pena no próximo dia ??? de 2021 (a Mma Juiz do TCC indica, certamente por lapso, o dia 31- 02-2021)
- Não foi concedida liberdade condicional ao arguido — art. 61.°, n.° 2, do Código Penal.
- Não se verifica qualquer alteração da execução da pena decorrente de actividade do TEP.

No caso sub júdice, o bem elaborado, correcto e racional despacho a que procedeu o Sr. Juíz do TEP, que subscrevemos na íntegra, concluiu no sentido de que cade ao Juiz de Julgamento a emissão de mandado de libertação.

Para obter tal desiderato, o Mmo Juiz explicou correctamente e à exaustão a situação em que caberá ao TEP ou ao Tribunal de Julgamento a emissão de mandados de soltura apurada nos presentes autos na perspectiva do direito penal - cujo teor que aqui subscrevemos e reiteramos.

Embora no art. 138°, n° 4, al. t), do Código da Execução das Penas e Medidas Privativas da Liberdade se atribua ao tribunal de execução de penas a competência para emitir mandados de detenção, de captura e de libertação, a verdade é que tal disposição em nada inova (para além da consagração formal daquilo que já era um entendimento uniforme) e tem de ser interpretada de forma conjugada com as demais normas legais.

Os tribunais de execução de penas sempre emitiram mandados de libertação, (assim como de captura e de detenção), porém, condicionados aos casos em que concedem a liberdade condicional (mandados de libertação) ou em que é necessário de fazer cumprir uma decisão sua (mandados de detenção ou de captura, por exemplo, em caso de revogação da liberdade condicional ou de o condenado se encontrar em ausência ilegítima).

A competência do TEP no que respeita aos mandados de desligamento/ligamento, a sua emissão pelos tribunais de execução de penas circunscreve-se aos casos em que, no uso da competência que lhes é conferida pelo art. 63.°, n.° 1, do Código Penal, ordenam a interrupção do cumprimento da pena, tendo em vista possibilitar a oportuna apreciação da liberdade condicional.

É por isso que o condenado cumpre pena à ordem de um determinado processo (art. 31°, n° 4, do Regulamento Geral dos Estabelecimentos Prisionais) e não à ordem do tribunal de execução de penas. Se cumprisse a pena à ordem do tribunal de execução de penas, então seria este o tribunal competente para todos os actos, independentemente de ao condenado ser ou não concedida a liberdade condicional, ou de quaisquer outras modificações operadas em termos de execução.

III.

Decide-se por isso, dirimir o conflito negativo atribuindo a competência ao Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Oeste - JCCriminal - J21 para emitir os competentes mandados de libertação.

Sem tributação.

Cumpra o art. 36.°, n.° 3 CPP.



Lisboa, 15-05-2020


Elaborado e computador e revisto pelo signatário - TRIGO MESQUITA.

Conexões do processo:

Mostrar gráfico

Classificação Decimal Universal (CDU):

Pesquisar por área temática Sugerir área temática

Esta decisão foi disponibilizada publicamente pelo Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça.

Como parte de um esforço constante de proteção de dados pessoais, este processo foi atualizado a 22 Maio 2020. Até agora, foi atualizado 2 vezes.
Topo