Capítulo

A presença islâmica na Europa e os desafios postos à prática judicial

Quão conscientes estão os juízes portugueses dos seus preconceitos a respeito do Islão? • Racismo e Discriminação: a lei da impunidade, Almedina ed., 2016, 1-10


Patrícia Jerónimo

Sinopse:


Os tribunais – não apenas o TEDH, mas também e sobretudo os tribunais nacionais – têm vindo a assumir um papel importante na integração dos muçulmanos nas sociedades europeias, sendo como são, com crescente frequência, chamados a arbitrar disputas culturais e jurídicas entre a lei estadual e as normas éticas e jurídicas contidas na Lei islâmica (Sharia) e invocadas pelas partes em litígio como fundamento para os comportamentos ou as reivindicações sub judice. Quando as partes no litígio são estrangeiros, a operação das regras de Direito Internacional Privado pode implicar a aplicação de disposições de Direito estrangeiro com fundamento religioso (como acontece, por exemplo, com o Código da Família do Reino de Marrocos, largamente fundado na Lei islâmica), um resultado que só poderá ser afastado se se concluir que a aplicação de tais disposições é contrária a princípios de ordem pública do Estado do foro, tais como o princípio da igualdade entre homens e mulheres. Quando as partes no litígio têm a nacionalidade do Estado do foro, o que é cada vez mais frequente, as normas éticas e jurídicas de origem islâmica poderão ser atendidas ou não pelos tribunais, dependendo do entendimento que os concretos juízes tenham do que sejam o secularismo, a liberdade de religião ou crença, o princípio da igualdade e a proteção dos direitos das minorias. [...]


Palavras-chave:


Ficha técnica

Título: A presença islâmica na Europa e os desafios postos à prática judicial

Sub título: Quão conscientes estão os juízes portugueses dos seus preconceitos a respeito do Islão?

Outras informações: Racismo e Discriminação: a lei da impunidade, Almedina ed., 2016, 1-10

Autor(es): Patrícia Jerónimo

Ano: 2016

Decisão